"TANATOPRAXIA"

TANATOPRAXIA é a mais moderna técnica de conservação de corpos, utilizada em quase todos os países do mundo. Não é necropsia nem retirada de órgãos.

A TANATOPRAXIA não traz apenas vantagens à aparência da pessoa, oferece à família o melhor dos benefícios que se constitui em recordar de seu ente querido como ele era verdadeiramente em vida. Isto, psicologicamente se constitui de um valor incalculável.

Quando passamos pelo processo de perda de um ente querido, a última aparência é aquela que fica negativamente marcada na memória afetiva da família... A realização da TANATOPRAXIA se constitui num gesto de amor e carinho, pois além de amenizar as transformações próprias do corpo sem vida, contribui no processo de difícil adaptação da ausência do ser amado.

Trata-se de uma técnica que nos últimos anos, revolucionou o sector funerário, que consiste na prática de higienização e conservação de corpos humanos através da injeção de líquidos. O objetivo é proporcionar uma melhor apresentação do corpo no momento do velório, tendo esta prática a tornar-se num serviço essencial para o sector funerário.

A TANATOPRAXIA é realizada com aplicação de produtos químicos no corpo do falecido, uma maneira bem menos agressiva e mais eficaz, que os antigos métodos, como o embalsamamento. Terminada a aplicação, o corpo fica com a aparência serena e corada, como antes da morte.

Técnica que terá de ser feita em locais apropriados, designados por tanatórios, tendo em conta todas as medidas de segurança. Contudo, poderá ser feita ao domicílio.

O responsável pela TANATOPRAXIA é o Tanatopraxista, que para estar apto para desenvolver essa função necessita de um curso técnico avançado, que é ministrado de várias formas e entidades, relativamente a cada País. 

Papel sanitário

A TANATOPRAXIA é uma completa desinfecção e conservação do cadáver. O propósito prioritário da TANATOPRAXIA e a desinfecção. Destruir uma vasta gama de microorganismos que produzem uma variedade de doenças.Visto com o morrer da pessoa, muitos agentes patogênicos morrem de forma imediata, mas muitos deles sobrevivem grandes períodos de tempo nos tecidos mortos, podendo estes contaminar outros seres com o seu contacto.
Também existe a possibilidade de organismos virulentos serem transmitidos a terceiros.

Com a aplicação da Tanatopraxia pode-se garantir nas normas internacionais o transporte do cadáver tendo sempre objetivo na preparação do cadáver para uma apropriada apresentação aos familiares. Exemplo recente disso foi a utilização da TANATOPRAXIA no corpo do Papa João Paulo II, para permitir que os atos funerais e as homenagens ao pontífice pudessem ser realizadas como programado para essas ocasiões.

Graças a TANATOPRAXIA, os serviços funerários passaram a contar com a possibilidade de prolongar o tempo do funeral, dando oportunidade para que familiares distantes também possam participar dos atos funerais, ou mesmo para que a família possa permanecer mais tempo no velório. Serve, também, para que o corpo possa ser transportado a grandes distâncias para o enterro, bem como para cumprir com as determinações legais do translado.

Outro ponto importante a ser observado, ligado à técnica, é que ela permite que o corpo se apresente reconstituído para o velório, no caso de vítimas de acidente ou que por outros objetivos tenha o corpo se desfigurado, ou mesmo em estado de putrefação, pois com a reconstituição e preparação cessam-se os efeitos pós-morte e evita-se, assim, o uso de ataúdes fechados ou lacrados que impedem a família de ver seu ente e o velar com a dignidade merecida pelo falecido.